Páginas

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

A turma é insistente


A turma, realmente, é insistente, isto parece idéia fixa, que levou Rui Barbosa a dar uma boa resposta ao seu interlocutor, como lembrado na matéria "Tropa de Elite".

Já que tiveram sucesso em encontrar ossada de militante da ALN (ação libertadora nacional), que liderou o seqüestro do embaixador americano Charles Elbrick (quem não se lembra? moeda de troca para libertação de alguns bandidos, entre eles o zé carioca"), em cemitério, e não em local ermo, o mesmo sucesso talvez alcancem no que toca aos militares desaparecidos, por conta de seqüestros e assassinatos efetuados por aquela turba de aprendiz de guerrilheiro; com o apoio dos que estão por aí a flanar, saltitantes e saltimbancos, é possível que se encontrem as ossadas daqueles honrados cidadãos, mostrando-se a verdade de como foram tratados por aquela bandidagem.

A bola há de rolar pelos dois lados do campo.

JabaNews

Notícias da Líbia: O poder vicia



(Frank, Os Diaristas)


domingo, 27 de fevereiro de 2011

Falhas no "recall"


A matéria ao lado dá conta de que ocorreram falhas no "recall" do zé carioca, em momentos que atencederam à festa de 31 anos da turba dos tramoios.



(Fusca Brasil)

O cara, ao que parece, perdeu todo o juízo, se é que ainda tinha algum, ao acenar com intervenção dos americanos na Líbia, por conta do petróleo; falhas no setor de "produção do recall."

Aliás, a turma dos tramoios, com relação aos americanos, é totalmente incoerente: o protótipo de einstein, que ocupa a pasta da ciência e tecnologia, está com eles num projeto de US$ 70 milhões, para fabricação de um satélite que deverá prever o descontentamento da natureza - catástrofes - com alguma antecedência, projeto para 2015; de outra banda, no pndh3 e em um projeto dividido no brasil do passado, de hoje e do futuro (algo de que nos ocuparemos em futuro próximo, assim que pudermos degustar o calhamaço de sandices, cuja paciência nos exige em demasia, tal como no pndh3), atribuem aos americanos todas as mazelas do mundo, principalmente nos cantos do planeta onde eclodem os movimentos atualmente cobertos pela mídia tupiniquim e de além mar, cantos esses, muito a gosto dos tramoios, nos quais, o que se está desenhando, é a troca de poder, tal como aconteceu entre os fulgencio y zaldivar e os fidel.

Mas esse é o cara que os tramoios pretendem resgatar para projetos de governo: não foi ele quem disse que com Dilma o goveno será mais PT do que com Lula?

Sem movimentos para frear os anseios dessa turma, estamos fadados a um retumbante retrocesso histórico.


JabaNews

Notícias do Maranhão


Em terras do "honorável bandido", presidência do PT local também faz a festa, com lugar para assassinato de líder comunitário, por conta de denúncias à polícia federal; espelho, talvez, do "líder máximo".

A matéria encontra-se ao lado, para apreciação de nossos leitores.

De nossa parte, tecer mais comentários sobre a bandidagem dos "tramoios", beira a repetição já cansativa; apenas insistimos, como já em outras matérias, no agrupamento de propósitos decentes e honestos para fazer frente aos "áulicos" do crime.




JabaNews

Sumiço de obras de artes



A reportagem é de O Globo de ontem. Alguém se anima sugerir o local em que as buscas devem ser realizadas? 

Abaixo, a relação das peças desaparecidas:




JabaNews


O óbvio da notícia

AGU diz que decreto do salário mínimo é constitucional.



NO COMMENTS 


JabaNews

Mais razões para a instituição do PQM ou outro movimento de agrupamento de propósitos decentes e honestos

A matéria ao lado, do Panorama Político de ontem, dá conta de negociata de "interesses" envolvendo os tramoios e a organização dos "deu em shit", no tocante à prorrogação das concessões para atividades comerciais (freeshpos) e de serviços nos aeroportos até o final de 2016 (paraolimpíadas), prevendo-se novos prazos contratuais, caso ocorram modernizações nos estabelecimentos, tudo por conta da aprovação da MP que cria a Autoridade Pública Olímpica.

Considerando-se os novos sentimentos kassabianos de amor pelos tramoios, e o fato de que em política não há oposição ou divergência ideológica, mas, apenas, confluência de interesses, a idéia de agrupamento de propósitos, objeto do título da matéria, para fazer frente à falta de vergonha já disseminada, ganha força em nossos pensamentos; quem com ela se animar, por favor, a divulgue e nos avise.

Abaixo, imagem do Kassab com a que já veio.


JabaNews

Pior que tá, ainda pode ficar


(Fusca Brasil)

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Sicário comenta "Ex-BBB".



Jaba...

Pelas afirmações do "nobre" deputado em seu primeiro discurso é visível que ele já andou lendo a cartilha do PSOL.
O próximo passo é tornar-se agressivo e histérico como são Luciana Genro e Heloísa Helena.
Acho muito interessante que nenhum dos políticos levanta a bandeira de uma causa coletiva, como o Brasil por exemplo, todos são defensores de causas sociais: dos sem terra, sem teto, sem cabelo, sem piscina, sem iate ou defensores da causa própria.
Para nós, mortais e pagadores de impostos nos resta ver chegar uma nova leva de homens, mulheres e transgênicos, todos públicos e altruístas..exatamente iguais aos que saem.
Definitivamente o voto deveria ser optativo.

          Olá Sicário,
Na realidade qualquer um pode se candidatar, veja o egresso do "bbb".
Os demais exemplos de "causas sociais", são muito bem apanhados, a eles nos permitimos acrescentar os sem cueca, os sem meia, os sem jatinho, os sem caráter, os sem vergonha e muito mais.
"Causa coletiva" é algo que não passa na cabeça daquelas "inteligências", pois cada um tem o seu "feudo" de interesses pessoais, que deve ser alimentado para perpetuação na profissão do momento: político.
O voto optativo ou facultativo, seria bem vindo, mas aqui há o risco do conhecido comodismo do brasileiro, que, no obrigatório, já vota conforme as execráveis pesquisas, por falta de interesse mesmo, ou nem comparece às urnas, preferindo justificativas futuras, o que dirá se lhe for permitido o voto facultativo, aí é que a vaca vai para o brejo, permitindo-se, com facilidade, a permanência do domínio nefasto.
A coisa passa, primordialmente, pela educação do povo, algo que, por razões óbvias, não interessa a nenhum governo, pelos menos àqueles que conhecemos até hoje, inclusive de além mar, salvo raras exceções.
Abs.,
Jaba

Comentários do Sicário em "Notícias do DF: MP denuncia Lula e Lando"

Jaba...

Os promotores que estão movendo a ação contra o gangster, chefe de quadrilha disfarçada de partido político tem, assim como a canalha, seu direito aos 15 minutos de fama. Estes sim, são pessoas com formação, com caráter pq. independente de pensamento político ou por ideologia estão agindo pela lei.
Todos sabemos que isto é a ponta do iceberg, pq. o próprio chefe faz questão de afrontar a tudo e a todos pensando estar acima das instituições e da lei.
Esperamos que estes promotores encontrem pelo caminho juízes do mesmo nível de caráter que, realmente queiram fazer justiça, independentemente da pseudo importância que um povo, que entidades, orgãos cegados pela própria burrice dão ao "salvador da pátria" e asseclas.
Se eles que detém o poder e o conhecimento, se posicionarem a favor de um Brasil ético, limpo e justo, não importando seu posicionamento político, aí sim viveremos numa democracia.
A doença aí está, nós temos as leis, basta fazer que dentro delas, o maior corruPTo, estelionatário moral da história do Brasil, sirva de exemplo para o restante da quadrilha.



Olá Sicário,

A iniciativa do MPF do Distrito Federal, nos lembra outra, do mesmo MPF, desta feita em São Paulo, na qual, as denúncias contra os envolvidos no caso Bancoop, foram acolhidas pela justiça federal, do que nos ocupamos na matéria "bons ventos do judiciário", em outubro passado.
A turma de juízes da primeira instância federal, novos ou não, é uma turma que realmente se dedica aos fatos e ao direito, turma independente, de excelente cepa, tal como seus colegas estaduais.
O mesmo já não conseguimos enfatizar nas cortes superiores, os motivos, entre outros, se encontram nas matérias "notícias do DF: Dilma tenta emplacar advogada no TSE", hoje postada, e na parte final de "oração à decência".
De qualquer forma, a iniciativa do MPF, quiçá o seu acolhimento pela justiça federal do distrito federal, já é uma boa sinalização para os intentos passados da turba e àqueles que ainda pensam por em prática, mesmo se considerando recentes arroubos de digno representante dos "tramoios", dando como favas contadas no Supremo, a constitucionalidade dos poderes conferidos ao Executivo de "legislar", por decreto, a questão envolvendo o salário mínimo.
Como o cara, a que nos recusamos declinar o nome, possui "poderes futurólogos", deve compor aquela turma de "magos do apocalipse."
Como já se vão quase 6 anos do "mensalão", de onde se desdobrou a ação objeto da reportagem, esperemos que isso não atrapalhe os dogmas de justiça.

Abs.,

Notícias do DF: Dilma tenta emplacar advogada no TSE


A reportagem acima, de O Globo, do dia 24, não se constitui em nenhuma surpresa, quando já se conhece a ascendência do Executivo sobre o Legislativo e o Judiciário, este último de forma tanto ou mais acintosa e escandalosa quanto ao primeiro, quando o Executivo o deixou capenga em sua composição por mais de 6 meses (desde agosto do ano passado), motivo que levou a Corte das togas superiores, em discussões memoráveis, para não dizer bate-boca vergonhoso,  a não solucionar impasses ou empates em julgamento, principalmente em matéria eleitoral (matéria "Cadeiras no STF").
O que chama a atenção na reportagem é a retirada do nome de um advogado da lista tríplice - já definitiva - para escolha de quem ocupará assento no TSE, o Superior Eleitoral para, em seu lugar, incluir o nome da advogada de campanha da que já veio, e de outras figuras carimbadas da República.
Ministros Marco Aurélio e Gilmar Mendes se posicionaram contra a substituição protagonizada pelo Ministro Ricardo Lewandowski que, além de assento no Supremo, é o atual presidente do Superior Eleitoral; não custa lembrar que este último, como outros, foi levado para a Corte das togas superiores, pelas mãos do que já se foi.
As justificativas constam da reportagem, às quais, por risíveis, e que denotam compadrio, nos escusamos comentar e com elas perder tempo.
O que realmente deve ser destacado, caso o intento se concretize, será o controle "absoluto" dos demais poderes pelo Executivo, já de conhecido viés autoritário, o que nos anima a renovar sugestão de agrupamento de propósitos honestos e decentes para fazer frente ao poder da dominação, como, igualmente, o que já sugerimos outras vezes, no tocante à composição dos tribunais superiores.
Como já dissemos em outras paragens, os resultados que nos inspiram, no nosso regime democrático, de sistema presidencialista, que bem poderia ser parlamentarista, como desejam alguns, são absolutamente desanimadores.


 JabaNews

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Ex-BBB

Ex-BBB é cultura: do Big Bosta Brasil para a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.
Sem comentários. Pior que isso só o Tiririca na Comissão de Educação.
A reportagem é de Eduardo Bresciani, estadão.com.br, de hoje, 17:23 hs


“Por EDUARDO BRESCIANI, estadao.com.br, Atualizado: 25/2/2011 17:23
Ex-BBB Jean Wyllys vai integrar Comissão de Finanças
O ex-participante do programa de televisão Big Brother Brasil e deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) vai integrar a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara. A informação foi confirmada hoje pelo partido do deputado. Wyllys tenta ainda uma vaga na comissão de Direitos Humanos da Casa.
Segundo o PSOL, foi o deputado quem pediu para integrar a comissão de Finanças e Tributação. Ele é jornalista e professor universitário e em sua biografia não aparece qualquer menção de atuação anterior na área da comissão na qual ele vai participar.
Em seu primeiro discurso, realizado ontem, o parlamentar mencionou rapidamente o tema. Ele afirmou que considera 'a ausência de recursos para as áreas sociais', 'a elevada tributação indireta e demais distorções do modelo tributário' e o 'crescente problema do endividamento público' fontes de 'injustiça social' e 'violações dos direitos humanos no Brasil'. Willys destacou em seu discurso o fato de ser homossexual e ligado ao movimento LGBT e afirmou que a defesa dos direitos humanos nortearão seu mandato.”

Reflexos do viés autoritário


(Blog do Amarildo)

Comentários do Sicário em "Mais um a buscar minutos de exposição"

          Jaba...

Sobre o MPúblico Militar algumas palavras até pq. quando usaste o termo "imbecilidade" disseste praticamente tudo.
Mas como sou palpiteiro escrevo..
Mais alguns querendo seus minutos de fama e, além de tudo, usando os nomes e famílias de desaparecidos mas, este é um problema deles, pois o homem colhe o que planta. Sinceramente não me preocupa repreensões por meu pensamento mas, estou me lixando para desaparecidos e suas famílias. Se pais e mães educassem seus filhos estes não estariam a mercê da manipulação política ou numa situação atual, a mercê das drogas. O MPMilitar deveria perguntar aos Dirceus, Franklins, Dilmas, Genoínos enfim a todos os sobreviventes onde estão os desaparecidos pois eles devem saber já que, milagrosamente, conseguiram sair vivos e glorificados de um regime extremamente "repressor".
O que me comove mesmo é a morte dos HOMENS ( não dos ratos ), que caíram ou foram assassinados em ações criminosas, defendendo o Brasil e a liberdade que estúpidos, através do voto, entregaram de mão beijada nas mãos deste mesmos criminosos
O MPM se comporta como os ratos pois circula em meio ao lixo da história e neste monte de lixo tenta pegar carona na falta de memória e discernimento do brasileiro.
Mais um antro politiqueiro, tendencioso, subjugado à mente doentia partidária e a canalhice que se instalou no Brasil desde 2002.
Quanto a OEA, só posso dar rizada, debochar de uma entidade que representa o ideal bolivariano unificado e que serve somente a este ideal, logo, não tem legitimidade alguma.
Quando a honrada nação hondurenha defendeu sua constituição, esta mesma OEA manifestou-se de todas as formas tentando pressionar os países do mundo para que não reconhecessem o governo de fato e direito de Honduras que havia, por tentar violar a carta magna, apeado do poder Zelaya, mais um escroto aprendiz de ditador da latrina do mundo.
Esta é a entidade que defende os direitos da nações desde que alinhados ao pensamento e diretrizes dela até pq. na Colombia há campos de prisioneiros das FARC, pessoas sequestradas a décadas que os membros da OEA sequer citam ou recriminam em seus relatórios assim como não criticam Cuba, Venezuela, El Salvador, Nicarágua, etc...
A falta de conhecimento leva à estupidez que está tomando conta do Brasil e a população, sem perceber, está se entregando ao sacrifício em silêncio. A conta que teremos de pagar será altíssima mas enquanto um de nós tiver voz ela será paga!



          Olá Sicário,
Compartilhamos da mesma opinião, o que já tínhamos percebido de seus comentários quando nos dedicamos ao tema em matérias anteriores.
O processo está assumindo proporções mais do que desmoralizadoras, porquanto voltado para unilateralidade, desprezado o conteúdo histórico antecedente aos fatos; a turba que fugiu, se escondeu e que voltou ao país clandestinamente, está toda aí, como mártir da nação (por conta da anistia, idéia dos militares); antes rejeitada e agora adorada, até por quem imagina-se tenha certo grau de conhecimento, ou pelo menos se imaginava que o tivesse.
O que nos entristece, é que as forças armadas, já achincalhadas no país e até pela OEA (já falamos sobre ela em matéria do mesmo título), não dispõem, até hoje, de uma mão que as defenda contra essas barbaridades unilaterais e não apontem o dedo para a ferida que se buscou abrir no país por aqueles que hoje flanam abertamente pela nação, estejam ou não no poder, posando de mártires para uma turma desprovida de conhecimentos históricos, ou que deles, por oportunismo, faz questão de esquecer e desprezar.
Em qualquer país do mundo, tentativas de se derrubar um governo pelas armas, encontram imediata resistência das forças deste país para sufocar o intento; exemplos contam-se aos montes, passados e atuais, principalmente naqueles que tanto encantam aos que hoje detém o poder na nossa terrinha, e a respeito dos quais não se pronunciam, mesmo que conhecedores das mesmas práticas que hoje, travestidos em falsa aura moralista, condenam.
Em nenhum momento se viu o mesmo afinco, a mesma preocupação, a mesma dedicação etc., quanto aos militares que sucumbiram por atos covardes dos aprendizes de guerrilheiros, que foram buscar inspiração e formação tanto na china comunista como na rússia, e praticaram a mesma sorte de crimes que o MPM agora pretende investigar, e nem com relação aos civis que igualmente foram mortos por conta daqueles intentos golpistas; aos militares desaparecidos, homenagens devem ser prestadas, até no mesmo nível das que imortalizadas no Monumento aos Pracinhas.
O regime e sistema de governo do nosso país é o da democracia presidencialista e, mesmo que sirva apenas para foro acadêmico, enquanto perdurar, e não se transformar, oficialmente, em um regime autoritário, os fatos que se pretende sejam apurados, devem, também, obrigatoriamente, envolver o desparecimento dos militares que, honrosamente, na defesa do país, sucumbiram frente aos guerrilheiros, cidadãos atuais de boa índole, inclusive o assassinato de civis por por aquele bando que já nos escusamos qualquer outra adjetivação.
Enquanto isso não ocorrer, ou que não se tomem medidas para que isso ocorra, não haverá como se reconhecer legalidade, juridicidade, legitimidade ou o que seja, quanto ao processo de defesa de interesses inqualificáveis, indo o país, na nossa desanimadora percepção, para final enterro na vergonha.

“se é verdade que cada povo resolve os seus problemas históricos de acordo com a sua cultura, com os seus sentimentos, com a sua índole e também com a sua história, o Brasil fez uma opção pelo caminho da concórdia”.
“uma sociedade que queira lutar contra os seus inimigos com as mesmas armas, com os mesmos instrumentos, com os mesmos sentimentos está condenada a um fracasso histórico”.
(Ministro Cezar Peluso, Presidente do Supremo, contrário, como a maioria de seus pares, à revisão da lei da anistia, pretendida anular pela OAB, em relação aos agentes do Estado)

Abs.,

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Mais um a buscar minutos de exposição


A reportagem acima (O Globo de ontem) demonstra que a "imbecilidade" é definitivamente eterna.

Se os honrados militares não se unirem para impedir o avanço da retrógada unilateralidade, que procura, por toda sorte, descaracterizar os fatos, criando caminhos para deturpá-los, ou a sociedade que impediu que poucos pingados que assassinaram, roubaram, seqüestraram, torturaram etc., transformassem o nosso País em uma extensão dos regimes comunistas chinês e russo, os resultados que nos inspiram são absolutamente desanimadores, do fim mesmo do respeito à Nação e do seu enterro final na vergonha.

Como freio, só vemos um caminho: ações e representações, de toda ordem, para que se o "processo" deva seguir o seu curso, independentemente da inqualificável manifestação da OEA, que seja para os dois lados, com reflexos imediatos sobre aqueles que flanam livremente por Pindorama, estejam ou não no poder, próximos ou não tão próximos do mesmo.


JabaNews

Notícias do DF: MP denuncia Lula e Lando


A matéria acima (O Globo de ontem) dá conta de que para a 13ª Vara Federal de Brasília, por instância do Ministério Público Federal, foi distribuída, no final do mês passado, ação de improbidade administrativa contra a dupla Lula/Lando, com pedido de bloqueio de bens do primeiro, por conta do envio de “milhões” de cartas a aposentados e pensionistas, informando sobre crédito consignado, e de favorecimento ao banco BMG, aquele envolvido em empréstimos duvidosos à turma do PT, descobertos após Roberto Jefferson entregar o esquema do “mensalão”.

Na mesma reportagem se informa que a dupla será notificada para apresentação de defesa prévia, depois da qual a Justiça Federal decidirá pelo acolhimento ou não das acusações.

Se o processo se instaurar, já será, pelo menos, alguma sinalização de freio da turba.

JabaNews

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Oração à Decência

Já há algum tempo temos manifestado aqui no blog, como comentado em outros blogs de ilustres ideais que, para fazer frente à turba que tomou conta da “República”, somente com o agrupamento de propósitos de decência e de honestidade, propósitos estes, entre outros, que delineamos em nossa segunda matéria, no mês de setembro passado, sob o título “PQM”, que abaixo reproduzimos:
. O RETORNO DA DIGNIDADE;
. O RETORNO DA CIVILIDADE, que alguns, em conceito distorcido da cidadania, esqueceram o que significa;
. O RETORNO DO RESPEITO AO PAÍS;
. O RETORNO DA PRÁTICA E DISTRIBUIÇÃO DA JUSTIÇA NÃO SEGUIDA DE ESCÂNDALOS;
. O RETORNO DO RESPEITO ÀS LEIS, COM A PRISÃO E SANÇÃO DAQUELES QUE A DESREPEITAM E DESREPEITARAM, NOTADAMENTE DOS MOVIMENTOS CRIMINOSOS E DOS QUE ASSALTARAM OS COFRES PÚBLICOS;
. O RETORNO DO ORGULHO DE OLHAR PARA O PAÍS E VER UM PAÍS DECENTE;
. O RETORNO DO DIREITO À SAÚDE PÚBLICA DE EXCELÊNCIA, SEM DIREITO A MORRER POR ATENDIMENTO MÉDICO INALCANÇÁVEL;
. O RETORNO DO DIREITO DE VER A FORTUNA DA FARRA DE IMPOSTOS, EMPREGADA EM FALCATRUAS E EM OUTROS EXPEDIENTES INOMINÁVEIS, SER UTILIZADA ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE NA EDUCAÇÃO, INFRAESTRUTURA E NO BEM ESTAR DO PAÍS;
. O DIREITO DE VER A DECÊNCIA VOLTAR A OCUPAR A MENTE DOS HOMENS, PARA AFASTAR DO CONVÍVIO APANIGUADOS, DESPREPARADOS E DÉSPOTAS;
. O RETORNO DO RESPEITO AO LEGISLATIVO E ÀS INSTITUIÇÕES DO PAÍS;
. O RETORNO DA CONFIANÇA DE SE DEPOSITAR EM ALGUNS O DESTINO DO PAÍS;
. O RETORNO DA CERTEZA DE QUE OS CRIMINOSOS, SEJAM ELES DE QUE NÍVEL SOCIAL FOR, SERÃO DEFENESTRADOS DO CONVÍVIO SOCIAL E DA VIDA PÚBLICA;
. O RETORNO DA PAZ SOCIAL;
. ENFIM, O RETORNO DA SENSAÇÃO DE SER UM FELIZ BRASILEIRO FELIZ E ACREDITAR QUE ESSE É UM PAÍS DE HONESTOS; PELO MENOS QUE POSSA SER UM PAÍS EM QUE A MAIORIA SEJA HONESTA, PARA NÃO CAIR NA UTOPIA.

Já na campanha da continuidade, divagávamos sobre o continuísmo das “intenções”, da toda sorte de crimes para se atingir a sucessão e, por conseqüência, o falso projeto do falso governo falso, em matérias como “Nihil”, “Prenúncio do Engodo”, e outras, o que vimos, após a confirmação da vitória, nos discursos vazios que se seguiram, desmoralizadores e desmontadores das mentiras de governo e de campanha, como antecipado.

Logo depois os primeiros sinais das disputas pelos despojos de guerra, que trilhou todos os caminhos possíveis e imaginários da imoralidade, travadas, ferozmente, entre o PMDB e o PT, levando a que já veio a ameaçar a turba com o desemprego nos 2º e 3º escalações, caso não aprovassem o mínimo “minimorum”, e que os “rebeldes” seriam tratados a pão e água.

Semana passada, o PMDB, alardeando 100% de fidelidade ao governo, anunciou a cobrança de sua parte no butim, alegando que agora não têm mais chance para conversa; sinal dos tempos, em que a República foi tomada por um bando armado e não armado.

Neste "intermédio" ainda se encontrou tempo para o revanchismo retrógado, com o achincalhe das forças armadas, patrocinado pela OEA, com apoio de alguns organismos brasileiros, para sandices de minutos de exposição da OAB-RJ, para festas da turma criminosa e “recall” de suas peças, presidência do Congresso para o execrável do maranhão, nos primeiros dois anos para, depois, assumir o Calheiros (acordo do PMDB com o PT), divisão da presidência da CCJ da Câmara entre Paulo Cunha e Berzoini, criação de uma tropa de elite, para a “defesa” dos encarcerados, manutenção de criminoso italiano no País, discurso de posse que não passou do rol de intenções vindo da campanha presidencial, vergonhoso aumento de subsídios e de cargos no primeiro escalão, entre outros atos inqualificáveis, tudo assistido pela massa de eleitores embevecida e endividada pela criminosa irresponsabilidade governamental, como, também, por aqueles a quem pouco importa o regime e o sistema de governo, desde que não prejudiquem os seus interesses.

Enquanto isso, no oriente médio e no continente africano, movimentos nacionais eclodem “rumo à democracia”, enfoque da mídia tupiniquim, esquecendo-se, porém, da nossa democracia, já de “rumos autoritários”, talvez por desconhecimento da nossa história, ou por relações outras com o governo.

Os acontecimentos no Egito nos animaram a escrever a matéria “Brumas do Passado”, na qual lembramos o seu passado glorioso, dos grandes Faraós tebanos, no trato e respeito aos cidadãos, confluência de poder e justiça.

Da mesma forma podemos, aqui, lembrar dos iranianos, de igual passado glorioso, de mesma consciência de poder e justiça daqueles Faraós, quando, por exemplo, asseveravam a boa fé de alcance universal, ditada pela divindade suprema conhecida por Mitra, qual seja, “a de que nenhum convênio deveria ser quebrado, mesmo aqueles celebrados com os ímpios, pois tanto a estes como aos homens piedosos se deve a fidelidade” ou o sentimento moral que era da essência espiritual do Rei:o rei ama o que é reto e odeia a iniqüidade; se não gosta que o inferior sofra por culpa do superior, também não aceita que este seja vítima do abuso daquele” (sentimento moral que evoluiu, na nosssa terrinha, para "o governo ama o 'reto' do povo").

Sentimentos antigos, de “mil” anos antes de Cristo, que até moldaram o cristianismo, e que se perderam nas brumas do tempo, por conta de guerras que destruíram aqueles anos gloriosos; até os assírios, conhecidos historicamente por sua crueldade perante os vencidos, também, tiveram, na “paz”, os seus momentos "tebanos e iranianos".

O que hoje ocorre, lá por aqueles continentes, é a história viva e real do que registrado e consagrado nos grandes livros: o povo, cansado da iniqüidade e do profundo poço que os separa da riqueza de poucos, aliado aos problemas sociais então presentes, está praticando os mesmos movimentos, em outra grandeza, tal como os praticados no passado, no afã de permitir que novos governantes os governe; o que vai acontecer, depois, é outra história.

O enfoque tupiniquim é totalmente diverso dos elementos históricos, enfoque de momento, em que muitos alardeiam que o País deveria seguir os passos daqueles, agora, inconformados, esquecendo-se que os inconformados são massa de manobra, como na nossa terrinha - na essência, é a troca de poder. Um pouco de história cai bem para os arroubos momentâneos. Mas qual democracia a mídia estaria enxergando para aquelas culturas totalmente desconhecidas em seus hábitos e tradições milenares, por quem se encontra emprestando linhas de conhecimento nos jornais? Aquela do velho mundo? Aquela vinda da revolução francesa, de onde se originou a famosa divisão “direita e esquerda”? A democracia das Américas? Ou a “democracia” brasileira, que já daria bom número de páginas policiais na imprensa escrita?

O que interessa é que o nosso País está vivendo momentos de pura quebra de princípios, de imoralidade acentuada, de crimes de toda sorte, e de pura doutrinação de ideais já carcomidos pelas pedras sepultadas por passado de muito esquecido; os exemplos atuais, para quem se permitiu a continuidade do governo, enganam, apenas, a massa manobrável e interessam apenas aos capitais para quem pouco importa quem seja governo, mas, suficientes para subjugar os ensinamentos de um todo passado histórico.

Não estamos aqui para falar sobre história, sobre a evolução dos povos, sobre guerras que levaram do bem para o mal e vice-versa, sobre passados gloriosos e não gloriosos, sobre religião e princípios, mas, para acentuar os rumos que estão se delineando sobre um povo agraciado com vinténs e sobre um povo que não mais se interessa, acomodado nos seus próprios e egoísticos interesses – redundância.

Ao abrirmos estas linhas, falamos em agrupamento de propósitos de decência e de honestidade, tais propósitos representam o título “Oração à decência”, e só neles vemos ou enxergamos o que possa modificar o que ora acontece no País; não há lugar para só alinhavar comentários, carreados de ironia, indignação ou ofensas. Enquanto assim continuar, aqueles a quem se dirige a indignação, que nos perdoem os leitores, estão “cagando e andando”.

Nossa oração reside no resgatar aquele histórico de respeito e decência e dele fazer um exemplo; como salientamos em outras paragens, o exemplo é suficiente para frear o que acontece nos poderes constituídos, podendo-se obter o intento com o agrupamento antes referido, ou com uma avalanche de representações junto ao Ministério Público e ações judiciais de outra ordem.

Falando-se em poderes constituídos, noticiou-se, dias atrás, com pouco destaque, que o Ministro Joaquim Barbosa, lá do Supremo, relator do processo do “Mensalão”, teria chutado, para 2012, a divulgação do seu “voto” sobre a matéria, ao argumento de que precisava de mais um ano de solidão na guerra interna da consciência (conhecida, também, por guerra dos neurônios) para manifestar seu posicionamento (nossas opções ficaram reduzidas ao agrupamento de ideais), o que deve ter sido recebido com júbilo pelo partido dos trabalhadores, que já anunciou movimento nacional no correr de 2011, para desmistificar o “mensalão” e resgatar as figuras do bando dos 40.

Eis aí nossa “democracia”, a merecer um pouco mais de atenção pela mídia tupiniquim e por quem, realmente, por ela se interessa.

JabaNews


quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Estudar, porquê?

O "e" de porque, tem acento ou não? Estamos em (?) (ou na?) dúvida, já se perdeu no tempo o tempo que estudamos a bela língua pátria e as suas armadilhas de plantão, língua, igualmente, de bela sonoridade, nos seus variados sotaques, violentada em sua escrita, por conta de um acordo ortográfico que recentemente nos foi imposto, e sobre o qual nos recusamos a aderir e até comentar; já esgotamos, tempos atrás, todas adjetivações que conhecemos e aquelas obtidas em outras culturas.

Muitos escrevem e falam o nome daquele acento (muitos até o destacando com a grafia "assento", ao qual deveriam ser encaminhados os habitantes de pindorama) como circunfléxo, com acento agudo mesmo, para acentuar, com realce, o "e" aberto, o "e" do belo sotaque nordestino, da região de belas praias e de belas formosuras degustadas já no olhar.

O que já se foi costumava, nas basófias diárias, alardear que era analfabeto, fenômeno presidencial da imbecilidade, imagem pura do culto ao "populismo", de conhecida "mágica" nos analfabetos funcionais, móvel de extraordinário processo de aculturação dos desafortunados de conhecimentos, mas que nada tinha de imbecil ou de ignorante. 

Foi, porém, somar aos demais pobres de cultura que flanam em pindorama, enriquecida com novas figuras nas últimas eleições. Assim - estudá pra que, ué? - há de perguntar o filho, futuro e digno representante do "abestalhamento" nacional; com certeza, mais um abestalhado a produzir os seus derrames de cultura, talvez como político, profissão do momento.

Quando se propõe não mais reprovar alunos nos três primeiros anos do ensino fundamental, e se processam pais que decidiram educar os seus em casa, acena-se com a continuidade da "imbecilização" de muito já em curso, que deverá deixar o país sob domínios outros.

Boa massa dos desafortunanados é regida pelos princípios da decência e da honestidade, além de inocentes no "processo mágico" antes mencionado; o filho, mais um a engordar as fileiras dos "sem cultura", pelo menos terá "curtido" o ato de brincar.



(Blog do Amarildo)


JabaNews


Partido das Trapaças: O Recall continua

Depois do “recall” do Zé Carioca, e de anunciarem o mesmo processo de recuperação de peças com Delubios e Silvinhos, o da vez é o João Paulo Cunha (figurinha aí do lado), igualmente da turma dos 40 – bando das mil e uma noites que adora um “mensalão” – escolhido pelo partido das trapaças para ocupar a presidência da comissão de constituição e justiça da câmara, por um ano, seguindo Berzoini, no a(s)no seguinte.
E nesse processo de refazimento de componentes, engrenagens etc., ainda se achou tempo para ameaçar a turba com desemprego nos 2º e 3º escalões, caso não aprovassem o mínimo “minimorum”.


(Blog do Amarildo)

Pobre País da podridão já disseminada e do autoritarismo já desnudado.
JabaNews
  

Comentários do Sicário em "OAB-RJ"

                        Jaba...

Andy Warhol, artista plástico norte-americano, disse nos anos 60-70 que: no futuro, todos terão direito a 15 minutos de fama. Pois bem, o futuro e consequentemente a fama chegaram a OAB/RJ.
Penso que alguém que tenha sido acusado, julgado, condenado e cumprido a pena não pode ser taxado eternamente como criminoso mas, parece que para a OAB/RJ, uma vez criminoso para sempre criminoso.
Perguntas:
O membro da OAB afirma que se soubessem que o sargento era um criminoso este não obteria o registro na ordem. Tá e como é que fica a constituição federal? A OAB está acima da constituição pois afirma ter o direito de cercear o direito ao trabalho de um cidadão?
Pode a OAB querer julgar alguém sem sequer esta pessoa ter sido acusada pelo crime na época? E a tal da lei da anistia, não perdoou ele e os vagabundos vermelhos? Pode a OAB julgar alguém que sequer era advogado na época do pseudo-crime?
Este orgão corporativista, deveria julgar també, como bem escreveste, aqueles criminosos advogados que mataram, mutilaram civis nos "anos de chumbo"...eu diria mais, quem sabe os defensores da lei aproveitam este movimento pela justiça do qual estão imbuídos e aproveitam para processar também aqueles advogados deputados e senadores que indiretamente pela sua falta de caráter e excesso de canalhice, roubam, desviam verbas e acabam por matar milhares de brasileiros diariamente?

Não é revanchismo, é querer saber a verdade, afirma a estúpida e tendenciosa rábula...
Eu digo: toga também é traje de palhaço!
Porque pelo que foi dito e escrito na matéria a verdade já existe pois a OAB, direitos humanos, tortura nunca mais já acusaram, julgaram e condenaram o sargento.
Agora sabemos pq. Sérgio Cabral foi eleito e reeleito no RJ.




         Olá Sicário,
Agradecemos a visita, sempre bem vinda, seus comentários vão lá para a página central do blog.
A OAB do Rio, tal como a OEA, meses atrás, perdeu ótima oportunidade de ficar calada, não falar besteira e heresia, de não vestir as suas cores do vermelho da falta de vergonha, vermelho que animou o cara dos minutos de exposição a tentar, nas últimas eleições, a "carreira" de deputado pelo partido comunista, sem êxito na empreitada.
Minutos de exposição que bem demonstram a canalhice que tomou conta da terrinha, já de imensurável dimensão por conta do partido das trapaças, o qual, em raro lampejo de inteligência descobriu, pelos "meios democráticos", como fazer do país extensão dos seus obscuros interesses.
O advogado, já com 74 anos, e já pré-julgado publicamente, tem a seu favor as próprias palavras do frustrado candidato à deputado, que lhe podem render, amanhã, reparações de outra ordem, seja qual for o posicionamento do tribunal de ética e disciplina.
Nos "caminhos democráticos", o que assistimos, hoje, é a própria quebra dos princípios que o equilibram e que norteiam o comportamento da sociedade, simples princípios que podem ser traduzidos no respeito ao próximo, tal como destacado em "brumas do passado"; respeito ao próximo, singela expressão, mas de extraordinário significado.
A república foi transformada numa enorme quadrilha, armada e não armada, de corrputos de boas negociatas, tal como em vários cantos do planeta, independentemente do regime e sistema de governo.
Na nossa terrinha, para se tentar acabar com isso, sem arroubos "golpistas", somente com a total transformação da acomodação dos interesses pessoais - não falamos mais nos interesses criminosos dos que habitam Pindorama - agrupando-se bom número de propósitos decentes e honestos, de modo a fazer frente aos "áulicos" do crime que já se eternizaram em Brasília e outros cantões, promovendo-se profunda mudança nas leis; dizem os "estudiosos" que o direito evolui na medida das necessidades da sociedade, parece piada, mas é assim que se "toca" a sociedade desde os primeiros esboços de convivência, envolvendo diversos interesses, em um mesmo "estado", em uma mesma "porção de terra".
Muitos ridicularizam, mas o "exemplo" sempre foi um bom freio para intentos outros.
Abs.,

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O Torcedor


(Blog do Amarildo)



Goooooldo

(Fusca Brasil)


Constatação

Ninguém é tão feio como na identidade, tão bonito como no Orkut, tão feliz quanto no Facebook, tão simpático como no Twitter, tão ausente como no skype, tão ocupado como no MSN e nem tão bom quanto no Curriculum Vitae"..,


JB01
por e-mail

Sarney x STF


(Blog do Amarildo)


OAB-RJ

A matéria ao lado dá conta que OAB-RJ irá submeter o advogado ali citado ao seu Tribunal de Ética e Disciplina, por conta de conduta incompatível com a advocacia; o advogado, então Sargento do Exército, figura em lista de torturadores produzida por entidades ditas de direitos humanas.

Se a Ordem vai investigar o fato, mesmo que anterior ao ingresso daquele Sargento no quadro de advogados da Seccional, sob a alegação de que "jamais se aceitaria admitir em nossos quadros torturadores e exterminadores de pessoas" (palavras do presidente da seccional), o mesmo deveria fazê-lo quanto aos advogados que lá estão inscritos, e que participaram da frustrada tentativa de impor, pelas armas, um regime comunista no País, cujos atos também levam a qualificá-los como torturadores e exterminadores de pessoas.

Se não estão  nos quadros, deve a OAB-RJ informar publicamente; se estão, deve levá-los ao mesmo Tribunal, divulgar os seus nomes e julgá-los pelos mesmos princípios dos minutos de exposição; do contrário, a sua credibilidade, confiabilidade, é nenhuma.

JabaNews



Política Eduacional brasileira


Na reportagem, última coluna à direita, com falha na reprodução, lê-se: "Em 2009, foram encontrados 13 mil alunos do 4º e 5º anos que precisavam ser realfabetizados, e outros 17 mil do 6º ano que também eram analfabetos funcionais".

Tirando o sentimento de vergonha,

NO COMMENTS


JabaNews
 

A mulher é uma figuraça

A mulher, realmente, é uma figuraça.

Na reportagem assinada por Cristiane Jungblut e Isabel Braga, do dia 14 passado (pág. 03, de O Globo), consta a lembrança de que “semana passada, a presidente Dilma deu demonstrações de que não quer ficar refém de assuntos do governo passado.”

Os “assuntos do governo passado”, segundo a reportagem, são 21 medidas provisórias editadas no governo do que já se foi, das quais 10 encontram-se trancando a pauta de votação na Câmara.

Entre as Medidas Provisórias, têm-se a que cria a Autoridade Pública Olímpica (APO), com 484 cargos comissionados, 184 com bons salários – de R$ 18 mil a R$ 22 mil – (filho de um protocolo assinado entre a União, o Governo do Rio e sua Prefeitura), a que cria uma empresa para administrar hospitais universitários, uma outra de R$ 30 bi para o BNDES, para aumentar a participação do Banco na capitalização da Petrobrás (aquela vergonhosa que todos já conhecem), mais outra de R$ 20 bi para o mesmo Banco, por conta de financiamentos do projeto “Trem Bala”, e outras tantas.

Para quem quer um emprego em Pindorama, boa chance com as novas despesas ... .

Mas, a mulher, é ou não é uma figuraça?

Como ainda não estamos decrépitos, e nossa senilidade ainda anda boa, na curta memória que nos assola a figurinha fazia parte do governo passado, da “coisa” que já se foi, imposta, a fórceps, como sucessora na continuidade, alardeando gastos dos mais variados, para enganar bom número de votos, e agora diz “que não quer ficar refém de assuntos do governo passado”, que não há grana para o mínimo “minimorum”, e outras intenções de campanha.

O quadro é sério, briga consigo mesmo, não ficar refém de si própria,  quadro clínico sugestivo de junta médica, com o risco de se atestar a incapacidade, por provável prognóstico de interdição.

Mas é melhor deixar a figura em paz, na briga com os seus próprios “eus”, porquanto os que podem assumir a cadeira, na hipótese em questão, de muito já deveriam ter sido “interditados”, sob barras verticais.

JabaNews

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Comentários do Sicário em "Brumas do passado"

Jaba...

Enquanto a Globo, Record espalham pelo Brasil que o movimento no Egito é democrático nós vamos amargando um começo de ditadura que pode durar os mesmos 30 anos do governo Mubarak, ou mais. Os mesmos jornalistas, as mesmas emissoras, que execraram o governo hondurenho, apoiando a atitude do governo brasileiro em dar guarida em nossa embaixada a um projeto de ditador tipicamente latrino e colonial, por desconhecimento ou por conveniência saudam a nova revolução, enaltecendo pessoas que, tanto quanto os brasileiros, alijados da verdadeira informação acabam aceitando que aquele é um movimento para a democracia, esquecendo de avivar a possibilidade que há do partido proscrito, como a irmandade muçulmana, estar por trás do levante popular. Massa de manobra existe em todos os países, em todos os idiomas e os egipcios podem ter optado trocar um governo ditatorial por um governo ditatorial teocrata. O mesmo jornal nacional que exalta a nova pseudo-democracia egipcia, anuncia que deputados iranianos pediram a pena de morte aos líderes de uma revolta popular contra o governo ditatorial dos aiatolás e cuja liderança, pertence um débil mental que pelo histórico de asneiras que fala, e pelo pensamento imbecil só poderia ser amigo, bem aceito e enaltecido nos circulos petistas bolivariânus.
É fácil para a Globo entrar na ditadura egipcia e divulgar as imagens censuradas pelo ditador Mubarak, é fácil para a Globo informar que pessoas foram agredidas, que repórteres foram presos (estou sendo irônico) quero ver a rede Globo e a Record, irem ao Irã e divulgarem com toda a pompa que lhes é pertinente, como senhores da verdade jornalística, que no Irã estão acontecendo levantes populares. Quero ver as redes Globo e record, defensoras da democracia mundial, levantarem a voz contra o presiditador Ahmadinejad...mas tem que gritar lá de dentro da democracia Persa.
Falar em democracia com relativa liberdade é fácil...ou melhor...democracia no dos outros é refresco!

15 de fevereiro de 2011


Olá Sicário,
Como sempre, os seus comentários, além de pertinentes, são sempre bem vindos.
Globo e Record, mais zero à esquerda, são a mesma coisa; a juventude atual não conhece a "história", daí a histeria pela democracia, para, ao depois, falar-se em violência a repórteres; imprensa sofrível, já percebestes.
O que nos interessa é levar a diante a ideía de que a turma não é imbecil, mormente diante da posição da OAB-RJ de cassar a inscrição de um advogado, já na casa dos 70, por conta de acontecimentos passados no regime militar.
O nosso intento na matéria foi demonstrar o mundo "civizilado" que poucos conhecem ou que muitos deconhecem.
Somos gratos pela sua intervenção, mas precisamos que mais se interessem pelos acontecimentos para por freio naquilo que chamamos de "sinal dos tempos".
Abs.,


15 de fevereiro de 2011

Brumas do Passado

A turma lá do Egito mandou ver, retirou de cena um cara, já oitentão, que gostaria de morrer no governo, como grande trabalhador, movimento tratado efusivamente pela mídia como o rumo à democracia.

Egito, País dos grandes Faraós, das grandes obras e de extraordinária demonstração de civilidade e de respeito ao próximo, de “remotíssimos idos”.  Falamos aqui dos grandes Faraós tebanos, que tinham como concepção de Poder o serviço de Justiça, o que encontramos no Império Médio, período de esplendor egípcio, no período das XI-XIII dinastias, 2065-1660, ac.

Brindados e agraciados com escavações arqueológicas, vamos encontrar, lá pela XII dinastia, exemplo do sentimento de Poder dos tebanos, nas famosas “Instruções do Faraó ao Vizir”, então gravadas no túmulo do Vizir Rekmara e de sua família, prova inconteste de “retidão insubornável, temperada pelo tato, no desempenho do cargo”, nas palavras de Truyol (parece até com o que ocorre, diuturnamente, em nossa terrinha).

Eis as instruções:
                   
Quando vier um requerente do Alto ou do Baixo Egito (...) vê bem que tudo se faça conforme a lei (...) Atende aquele que não conheces como aquele que conheces, o que vem pessoalmente junto de ti, como o que está longe da tua casa (...) Não despeças ninguém sem ter ouvido a sua palavra. Quando um requerente estiver diante de ti, queixando-se, não rejeites com uma palavra o que te disser, mas, se tiveres de negar-lhe o que pede, faz com que veja porque razão o negas.”

Lições de aproximados 2.000 anos antes de Cristo, que ainda devem perdurar na pureza de alma de algumas almas puras que ainda vagam pelo mundo, independentemente da ideologia que “as governa”.

Deixemos o passado.

Segundo registros mais recentes Muhammad Hosni Said Mubarak assumiu o poder em outubro de 1981, quando do assassinato de Anwar el-Sadat, que governou o Egito de 1970 até ser assassinado, ocupando, então, Mubarak , a vice-presidência do País, poder no qual permaneceu por  quase 30 anos, renunciando, recentemente, por fatos já conhecidos, influenciados pela queda do governo autoritário da Tunísia: Zine El Abidine Bem Ali.

Para não fugir a regra de regimes duradouros, nos veios da corrupção, os Mubarak amealharam bilionária fortuna, que se encontra espalhada por alguns cantos do planeta.  Nada que não lembre os anos de governo de Fulgencio Batista y Zaldívar em Cuba, corrupto de boas negociatas, que mandava matar os seus inimigos, ao qual se seguiram os Castros, que se eternizaram no poder, a partir do ano novo de 1959 (batalha de Santa Clara, se não estamos enganados), com os mesmos métodos utilizados pelo antecessor, Castros que tanto encantam à turba que domina o nosso País.

Voltando ao oriente médio.

O que chama à atenção nos acontecimentos no oriente médio é a radiante alegria do amiguinho de infância do que já se foi e da turba dos tramoienses da continuidade – nem vamos falar nos demais países chamados pela mídia tupiniquim de “regimes controversos e problemáticos” (tivemos exemplo recente dado à continuidade pelo apagão nacional, e a mídia tupiniquim só enaltece, parece, até, desconhecer a “história”) - que alardeou, sob os gritos de “morte a Mubarak”, “morte aos EUA”, “morte a Israel”, que as revoltas na Tunísia e no Egito são um despertar islâmico semelhante à revolução de 1979 no Irã.

Não precisa lembrar que a turba dos tramoios morre de amores pelo cara do Irã.

A situação é grave, vindo de alguém que já detém certa tecnologia destrutiva, mesmo que discurse no campo dos arroubos sem sentido.

Mal ou bem, o que renunciou, manteve certa estabilidade na região em conflito, mesmo que atuando em sintonia com interesses americanos e sionistas (regimes totalitários não coincidem com nossos ensinamentos e formação); visto sob o ângulo eminentemente do equilíbrio das peças no tabuleiro, a renúncia pode desaguar, provavelmente, na desestabilização; em jogo o comportamento de uma turma conhecida por “irmandade mulçumana”, fundamentalistas, que todos conhecem o significado, mesmo aqueles de poucos conhecimentos.

Mas, na verdade, por enquanto somos observadores, e só nos resta observar.

De concreto, nestas mal traçadas linhas, a lembrança de um passado glorioso dos egípcios, há mais de 2.000 anos antes de Cristo, no qual o “igual” era tratado com dignidade e respeito – Brumas do Passado -, algo carcomido com a evolução dos povos, centrado no dogma de que o homem é o centro das atenções e, para mantê-lo, há de subjugar os seus pares.

Nessa balada, o que nos resta, é observar, quiçá movimentar a massa em prol do retorno da decência no Brasil periférico, sem sonhos demagógicos e sem atributos inqualificáveis.

JabaNews